DOE PALAVRAS

Um movimento para levar mensagens de força aos pacientes com câncer do Instituto Mário Penna.

http://www.doepalavras.com.br/

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

BOM MESMO É AMAR!




O poeta Vinícius de Morais disse numa entrevista que fazer sexo era bom, mas estar apaixonado era melhor ainda. O sexo tem fim, acaba no orgasmo, a paixão vive, alimenta-se de cada palavra, bebe em cada frase uma forma de continuar vivendo, está sempre lutando contra o cansaço, a mesmice, o cotidiano. Lá cantou-nos Cazuza, apaixonado, “eu já não sei se estou estourando, ah, eu perco o sono, lembrando em cada riso teu qualquer bandeira, fechando e abrindo a geladeira a noite inteira”. A paixão gosta do cheiro da roupa, da cor do sorriso, da forma de viver, a paixão vive de tudo e não esquece nada. A paixão sempre é boa, o sexo nem sempre é bom. Tem sexo ruim, tem paixão não realizada, é diferente, mas mesmo as mal sucedidas, até essas, foram boas por quanto duraram. O sentimento de estar apaixonado é indescritível, cantamos sem querer, sorrimos por prazer, vivemos por viver, amamos por ser. Sexo sem prazer é dor, dor que amarga, dor que magoa, dor que não passa. O sexo é limitado, a paixão ultrapassa os limites, vive das pequenas e grandes coisas, seu único fim é não ter fim e permanecer ainda mais apaixonada. O sexo é feito a dois, a paixão se consome sozinha, no silêncio da noite, nos versos de uma canção, na saudade e na lembrança vai buscar e encontrar o ser amado. Sexo tem lógica, ninguém faz sexo sem um encaixe simétrico, tudo precisa estar dentro de um contexto de idas e vindas. A paixão foge as regras, a razão, tudo está desalinhado, desarrumado por fora, mas certo por dentro, tem uma matemática própria, um sentido em tudo, mesmo que o único sentido seja não haver sentido algum. Sexo tem lugar pra acontecer, a paixão não, acontece na rua, na praça, na festa, no cinema, nos sonhos, nas conversas, nas trocas de olhares, nos toques de mãos. Mesmo que a paixão leve ao sexo, nem todo sexo leva a paixão. Há sexo sem paixão, sem prazer, sem sentir, mas o sexo apaixonado é o ápice, o coroamento do sentimento. Logo, sexo pode até mesmo ser bom, mas estar apaixonado é muito melhor.


Por Ronaldo Magella

Nenhum comentário:

Postar um comentário