DOE PALAVRAS

Um movimento para levar mensagens de força aos pacientes com câncer do Instituto Mário Penna.

http://www.doepalavras.com.br/

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

ELES QUEREM QUE POBRE SE EXPLODA

Tava aqui pensando no quanto eu odeio os nossos politicos. Não que seja um sentimento novo, mas é que agora – pelo fato das coisas estarem sendo escancaradas na imprensa e nada acontecer – tô me sentindo meio que como um corno manso. Aquela que sabe que tão pegando a mulher dele, mas deixa rolar.



Pois bem… indignado que estou, ouço (ou leio) pela enésima vez a pergunta: “Qual personagem do seu pai você mais gosta?”. Não preciso mais pestenejar para responder: Justo Veríssimo.


Quase 30 anos depois da sua criação, o deputado imortalizado por Chico Anysio continua sendo um retrato do Brasil que nos comanda. Como se viesse se modernizando com o tempo. Não que o humorista seja um visionário. Simplesmente foi preciso. E os deputados brasileiros continuam precisamente a mesma coisa. Continuam querendo que pobre se exploda.



Uma das funções do humor é a denuncia. Durante décadas o dedo de Chico Anysio sempre esteve ali, cutucando as feridas expostas pela nossa sociedade. Mas em Justo Veríssimo ele se superou. Poderia ser Gilmar Mendes, Arruda, Fernando Collor, José Dirceu, Genoíno, Renan Calheiros, Sarney… mas é anterior a todos eles. Satirizava os da sua época, mas remetia também ao passado e, agora a gente sabe, ao futuro.


Justo Veríssimo é aquele que só suporta o povo em época de eleições. Depois quer mais é distância de pobre! Exatamente como nossos eleitos, porém com uma vantagem sobre eles: é honesto. Honesto no sentido de falar o que pensa, ao contrário dos nossos picaretas do Congresso, que quase me fazem vomitar a cada vez que falam “em nome do povo brasileiro”. Em Brasilia, um Justo Veríssimo é farinha do mesmo saco. Mas na antologia do humor brasileiro tem destaque absoluto!

http://www.youtube.com/watch?v=yTol67aJ5_c&feature=related


Viva Chico Anysio que, dentro os mais de 200 personagens criados, tem pelo menos 50 obras-primas. E, no meio delas, um Justo Veríssimo atual e, infelizmente, com toda pinta de ser eterno.


Nenhum comentário:

Postar um comentário