DOE PALAVRAS

Um movimento para levar mensagens de força aos pacientes com câncer do Instituto Mário Penna.

http://www.doepalavras.com.br/

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

SEM MÁSCARAS...


De mudança para São Paulo, Marina Lima quer "começar de novo"

MARCUS PRETO
da Folha de S.Paulo, em Porto Alegre
Como na letra de uma de suas baladas mais famosas, Marina Lima, 54, procura agora por outros olhos e armadilhas.
A cantora está de mudança para São Paulo. Ensaia show com repertório basicamente inédito, dirigido pelo arquiteto Isay Weinfeld. E que deve gerar um CD de estúdio neste ano.
Também está previsto para 2010 o primeiro livro, "Entre as Coisas", "quase um almanaque" que reúne, segundo ela, "as coisas que me interessam: o mundo da música, do canto, das mulheres".
E, por fim, o DVD que registra o emblemático show "Primórdios", dirigido por Monique Gardenberg em 2006.
Marina recebeu a reportagem da Folha no estúdio em Porto Alegre onde ensaia com sua banda. "Porto Alegre me parece ser um lugar de muita gente de ponta. Leia-se: à frente. Leia-se: maluco", brincou.
FOLHA - Você já viveu algumas temporadas em São Paulo. No que sua saída do Rio é diferente agora?
MARINA LIMA - Agora, vou sair para viver. Quero começar minha vida. Recomeçar de outro ponto, em outro lugar. Tem um "começar de novo" nisso, mas tem também um continuar. Quando quis estudar guitarra, fui para São Paulo. Quando quis entender a linguagem dos computadores, fiz a mesma coisa. A cidade me atrai. É como se estivesse me mudando para outro país que fala a mesma língua.
FOLHA - Uma espécie de desafio?
MARINA - Começar tudo de novo em outra cidade é uma grande mudança. Domino o Rio. A cidade me é familiar, é fácil viver nela. Mas estou muito isolada. O que tenho no Rio? Minha casa, meus familiares, mas não tenho muito com quem trocar.
FOLHA - Isolada como? A sua turma não é mais...
MARINA - Não faço parte de turma, nunca fiz. Do auge do meu sucesso até agora, era só eu e o [irmão Antonio] Cicero. Não sou do Asdrúbal, não sou da turma dos baianos. Acontecem coisas singulares comigo no Rio. Vou ao cinema sozinha, faço tudo sozinha.
FOLHA - Vai vender a casa no Rio?
MARINA - Minha casa não é mais minha. Morei anos sozinha em uma cobertura enorme na Lagoa. Pensei muitas vezes: "De que me adianta essa vista?". Vendi aquela cobertura e aluguei um apartamento em Ipanema sem vista nenhuma, só com vista para dentro. E muito menor. Está tudo espremido. Então São Paulo representa, agora, voltar ao paraíso.
FOLHA - Mudanças pessoais estimularam a mudança de cidade?
MARINA - Envelheci e passei a investir em outras coisas, em estar mais em casa, ler, ficar no computador. E gostei. É como se agora isso não fosse mais perda de tempo. No Rio, viver assim não funciona muito porque você para de circular em lugares centrais para a coisa social continuar acontecendo.
FOLHA - Você registrou um de seus shows mais emblemáticos, "Primórdios", que seria lançado em DVD...
MARINA - "Primórdios" parecia ser minha grande volta aos palcos. Porque "Sissi na Sua" [show de 2000], que teria sido essa volta, era muito radical. Eu estava saindo daquela loucura toda [perda da voz causada por depressão], era um show sobre as dificuldades que as pessoas que não se adequam têm de passar para não morrer.
FOLHA - O público não entendeu?
MARINA - Alguns nerds se conectaram, mas não o grande público. Eles esperavam aquela Marina, e aquela Marina não voltou. Aquela nunca mais vai voltar. Não existe volta. Existe a continuidade das coisas. Aquele show representava um esforço para dizer: "Eu não fui, eu não morri, a loucura não me sucumbiu, eu consegui voltar". Mas não voltei igual, voltei talvez até ameaçadora para quem está acomodado. Para algumas pessoas, a vida não tem crise.
FOLHA - Falar abertamente sobre depressão incomoda, é isso?
MARINA - Acho que é um estigma. Fui fichada porque tive depressão, marcada que nem gado. É como ficha na polícia. Tem gente que fica fingindo. O Silvio Santos, por exemplo. Ninguém quer saber se o cara teve derrota, se tem problemas pessoais. O que interessa para o mundo é aquele sorriso dele. Não faço essa linha. Sou fascinada pela vida, com a dor que isso possa implicar.
FOLHA - O DVD vai sair?
MARINA - Vai. Mas não vou dizer datas. Fiquei constrangida porque andei divulgando prazos de lançamento de um livro que está sendo feito, mas não consegui cumprir porque não depende de mim. Se eu fosse dona da banca... Meu tesão por esse ofício voltou com tudo, e a idade pode ser um fator determinante nisso. É a proximidade da morte. Mas, enquanto estou viva, o conhecimento me excita. O mundo anda, e você não pode achar que é uma obra acabada. É uma obra em aberto. A não ser que queira ficar lá, cristalizada. Não é o meu caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário