DOE PALAVRAS

Um movimento para levar mensagens de força aos pacientes com câncer do Instituto Mário Penna.

http://www.doepalavras.com.br/

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010























Baseado na obra de Susan Minot, o filme mostra Ann (Vanessa Redgrave) já idosa, doente e não tão lúcida. Observada de perto pelas duas filhas, Nina (Toni Collette) e Constance (Natasha Richardson, filha de Redgrave na vida real), ela começa a falar coisas que parecem sem nexo, e a fazer referência a pessoas de um passado completamente desconhecido para sua família.

No início não se sabe se trata-se de algo real ou apenas ilusão, mas logo a história se esclarece. Em flashbacks, o diretor Lajos Koltai (cinematógrafo experiente, mas apenas em seu segundo longa como diretor) revela quem são os personagens do passado de Ann e a história marcante que, à beira da morte, volta à sua memória.

Linda e jovem, Ann (Claire Danes) chega à casa de campo da grande amiga Lila (Mamie Gummer, filha de Meryl Streep, que a interpretará mais velha), para sua festa de casamento. É recebida calorosamente pelo irmão dela, Buddy (Hugh Dancy), seu colega dos tempos de faculdade. Ann, eleita dama de honra da amiga, a consola nos momentos em que ela titubeia em subir no altar. O problema de Lila é sua paixão por Harris (Patrick Wilson), amigo de longa data da família, que acaba conquistando o amor de Ann e sendo plenamente correspondido.

Há momentos na vida que são decisivos para os rumos que o futuro tomará. Decidir embarcar em um relacionamento com o homem por quem sua grande amiga é apaixonada é um deles. Casar-se sem estar apaixonada é outro. E são esses momentos cruciais que fazem de “Ao entardecer” um filme que,  tem o mérito de uma boa história, que faz o espectador repensar suas próprias escolhas em situações como essas, que de uma forma ou de outra mudam a vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário