DOE PALAVRAS

Um movimento para levar mensagens de força aos pacientes com câncer do Instituto Mário Penna.

http://www.doepalavras.com.br/

domingo, 19 de junho de 2011

AFINIDADE

A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil,
delicado e penetrante dos sentimentos.
É o mais independente.
Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos,
as distâncias, as impossibilidades.
Quando há afinidade,
qualquer reencontro retoma a relação,
o diálogo, a conversa,
o afeto no exato ponto em que foi interrompido.
Afinidade é não haver tempo mediando a vida.
É uma vitória do adivinhado sobre o real.
Do subjetivo para o objetivo.
Do permanente sobre o passageiro.
Do básico sobre o superficial.
Ter afinidade é muito raro.
Mas quando existe
não precisa de códigos verbais para se manifestar.
Existia antes do conhecimento,
irradia durante e permanece
depois que as pessoas deixaram de estar juntas.
O que você tem dificuldade de expressar a um não afim,
sai simples e claro diante de alguém com quem você tem afinidade.
Afinidade é ficar longe pensando parecido
a respeito dos mesmos fatos que impressionam,
comovem ou mobilizam.
É ficar conversando sem trocar palavras.
É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento.
Afinidade é sentir com, nem sentir contra,
nem sentir para, nem sentir por nem sentir pelo.
Quanta gente ama loucamente,
mas sente contra o ser amado.
Quantos amam e sentem para o ser amado,
não para eles próprios.
Sentir com é não ter necessidade de explicar
o que está sentindo.
É olhar e perceber.
É mais calar do que falar, ou, quando é falar,
jamais explicar: apenas afirmar.
Afinidade é jamais sentir por.
Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo.
Mas quem sente com, avalia sem se contaminar.
Compreende sem ocupar o lugar do outro.
Aceita para poder questionar.
Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar.
Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças.
É conversar no silêncio, tanto nas possibilidades exercidas
quanto das impossibilidades vividas.
Afinidade é retomar a relação no ponto em que parou
sem lamentar o tempo de separação.
Porque tempo e separação nunca existiram.
Foram apenas oportunidades dadas (tiradas) pela vida,
para que a maturação comum pudesse se dar.
E para que cada pessoa pudesse e possa ser,
cada vez mais a expressão do outro
sob a forma ampliada do eu individual aprimorado.



Arthur da Távola

8 comentários:

  1. """Afinidade é jamais sentir por."""


    É isso! É isso!! É isso!!!

    Tenho que parar de confundir AMAR com desejar!

    É por isso que as vezes parece que o AMOR aprisiona, porque a gente está querendo sentir "pela" pessoa. (dai a gente começa a precisar controlar o que a pessoa faz)

    Porque a gente acha que AMAR é "privar o outro de ser quem ele é"?
    Porque a gente acha se AMAMOS alguém a gente tem que fazer pra ela tudo que ela quer?
    Porque a gente acha que AMAR é desaparecer no outro?


    É esse o erro!
    O erro é achar que no AMOR você some!
    O erro é achar que no AMOR o outro some!


    Não!!!
    Não pode ser assim!
    Se fosse assim o AMOR ia ser a pior coisa de todas!

    O AMOR é tão bom porque no AMOR o EU Revela-se! EU encontro EU MESMO quando AMO!
    O AMOR é tão bom porque no AMOR EU mergulho dentro de mim mesmo ao encontrar o outro!


    Quando eu AMO o outro, eu encontro a mim mesmo!!!
    é isso!
    É por isso que o AMOR é tão bom!
    Se eu sumisse quando eu AMASSE, então o AMOR não ia ser a pior de todas as coisas!


    O AMOR é tão bom porque no AMOR o 2 vira 1 sem deixar de ser 2 !!!
    Cada 1 dos 2 expande-se e cresce no Encontro!

    Os 2 se unem sem se perder!
    Os 2 se unem mas não deixam de ser 2!

    É por isso que é tão bom!
    Porque voce descobre você mesmo no outro!
    e o outro descobre ele mesmo em voce!


    Não é se apagar!
    Não é "ir para o outro"
    Mas é "encontrar o outro DENTRO de mim mesmo"!

    ResponderExcluir
  2. Ah! E olha só o que eu acabei de ver!

    Olha o que a mulher mais velha do mundo disse sobre a longevidade!

    """Questionada sobre a longevidade da avó, a neta Jane repetiu uma fase que diz sempre ter escutado da idosa. “Ela fala que vive muito porque sempre cuidou apenas da vida dela e nunca da vida dos outros”."""

    :)))

    ResponderExcluir
  3. É isso! É isso!! É isso!!!

    O amor verdadeiro começa em nós.

    A única possibilidade de ser feliz com o outro é primeiro ser feliz com você mesmo.

    Não existe a possibilidade de esperar e exigir do outro que nos faça felizes.

    A felicidade nunca vem do outro.

    Esse é o erro!!!

    Criamos expectativas dentro dos nossos sonhos...

    Expectativa = sofrimento

    O outro nunca será capaz de suprir todos os nossos sonhos.

    O que procuramos, não está no outro, está em nós.

    Tudo está em nós.

    Acontece dentro e não fora.

    A partir daí, se vivemos na nossa verdade, quando o outro chega é uma festa!

    A nossa verdade + a verdade do outro = amor.

    É soma, não é divisão.

    É amor como não se vê mais!

    ResponderExcluir
  4. Ao contrário do que a maioria pensa...

    O tempo é o nosso maior aliado!

    Ele nos traz sabedoria.

    Essa senhora vive muito porque vive a verdade dela.

    Ela é feliz.

    :)

    ResponderExcluir
  5. Ei! você é legal!

    O jeito que vocÊ imitou meu estilo me fez rir!


    Aposto que é mineira!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Paulistana que nem eu?

    ResponderExcluir
  8. Ah... Hummm...

    Então você também nasceu na Selva de Pedra!

    :(

    Prefiro o mato.

    Prefiro o interior.

    Prefiro a qualidade de vida.

    ResponderExcluir